Tradições com os mortos na Tunísia.

Durante nossa estadia aqui em Monastir vimos muitos cemitérios, tanto aqui como em algumas das cidades que visitamos. Várias vezes vimos o enterro passar pelas ruas da Medina, com uma breve parada na Mesquita antes de ir ao cemitério. Mulheres e crianças não participam da procissão do enterro, cabe somente aos homens este papel.

IMG-20191207-WA0009_compress20

Cemitério Kairouan

20210414_095127

Cemitério Monastir

Achei bem interessando o conceito dos cemitérios daqui, todos os túmulos são praticamente iguais e sem nenhuma ostentação, como ocorre nos cemitérios no Brasil e outros países de tradição católica, com seus túmulos enormes e capelas gigantescas. Isso sem falar das funerárias que cobram elevado custo por seus serviços.

Quanto ao fato, a morte, segundo a fé islâmica, considera esta vida apenas uma preparação para o próximo reino. Quando um muçulmano morre, sua alma visita dois anjos Mounkar e Nakir e responde a eles sobre sua crença, seu profeta e seu Deus. Após essa ocorrência a alma permanece em Al-Barzakh, termo que designa o tempo que separa a morte da ressurreição.

O enterro obedece a um ritual religioso de grande importância para purificar o corpo. O corpo é lavado por um membro religioso (da família ou não), depois o corpo é enrolado em um tecido branco de algodão, inclusive o rosto, chamado de mortalha. Então o corpo é levado em um caixão, porém é retirado e colocado na sepultura diretamente sobre terra. No fundo da sepultura é escavada uma fenda para que o corpo se encaixe melhor, ficando sua cabeça voltada para a Cidade Sagrada de Meca. Nos dias que se seguem após o enterro, são feitos rituais religiosos de diferentes formas, conforme o local.

Bem, vale lembrar que registrei aqui as tradições culturais que encontrei em algumas fontes e que este texto foi escrito incitado tão somente pela curiosidade de saber sobre os costumes locais, já que no mundo todo há diferentes formas de lidar com essa situação, como na Índia, por exemplo, onde os corpos não são enterrados e sim cremados, onde o Deus do Fogo, senhor Agni, vem para purificar o corpo e libertar a alma.

São muitas as coisas interessantes e curiosas que encontramos pelo caminho e nossa bagagem vai se enriquecendo. Vida longa com saúde a todos. Namastê

Dia 1843, 12 de abril de 2021. Morando a bordo em Monastir, Tunísia, Norte da África.

Sobre Sailing Vessel Pharea

Eu, meu marido Renato Teixeira e a Bella, nossa Yorkshire, moramos a bordo e estamos conhecendo muitos lugares dando volta ao mundo em um veleiro. Namastê 🙏🏼
Esse post foi publicado em #SvPhareanaTunísia🇹🇳. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s