Uma das grandes alegrias, rever os amigos!

Entre as melhores coisas de um velejador, certamente está presente um grande número de amigos. Encontrar e conhecer pessoas, saber sobre suas viagens e aventuras é realmente fantástico. Nossos amigos desta temporada saíram e nós ficamos por aqui um pouco tristes… mas tivemos a boa surpresa de receber amigos da temporada passada que conhecemos quando estávamos na Itália.
JJ e Sara, ele inglês e ela italiana,  saíram da Itália e estavam em Lampedusa, uma ilha no Mediterrâneo, próxima da Tunísia e resolveram vir passar uma semana aqui. Passamos muito tempo juntos, desfrutando a agradável companhia deles.
Fomos à Sousse, cidade maior e próxima daqui e pela primeira vez, desde março, usamos o transporte público…. Pois até então não havíamos saído mais para viagens em função do Corona vírus.
No caminho, direção norte, passamos pelo aeroporto e por diversas lagoas de produção de sal em diferentes estágios. Nelas sempre há Flamingos e a medida que forem se alimentando nas lagoas de sal sua plumagem ganhará a cor rosa, característica dos flamingos. No inverno passado vimos muitos é bem coloridos, mas os de agora ainda estão brancos. Monastir é produtora de sal assim como outras cidades da Tunísia. A materia-prima das Salinas é o mar, que contém apenas cerca de 3% de cloreto de sódio (NaCl); O trabalho a ser feito em um lago salgado consiste em evaporar grandes volumes para concentrar essa água do mar pela ação exclusiva do sol e do vento. É um longo trabalho e os salineiros cuidam de todo o processo, desde que a água do mar é bombeada para dentro dos lagos, onde percorrerá de 50 a 100 km e levando mais de 6 meses para se concentrar antes de se cristalizar em superfícies chamadas tábuas de sal. Então chega a época da colheita e como na agricultura, uma vez por ano, geralmente no outono-inverno, os salineiros recolhem esse sal que pacientemente fizeram crescer em suas bacias de cristalização, depois falando muito resumidamente…o lavam e o armazenam para distribuição. A paisagem chama a atenção pelas diferentes cores das lagoas e pela presença dos flamingos que agora já  se reproduziram e há muitos filhotes.
Continuamos nosso caminho para Sousse, que tem uma Medina bem maior que a daqui de Monastir. Assim que entramos já  nos deparamos com o movimento, estava bem agitada e os vendedores de todos os artigos que possa imaginar… ávidos por clientes, pois o turismo é uma grande e importante ocupação de muitos tunisianos. Sara comprou alguns itens e o JJ super negociou por um bom preço… O preço começa lá em cima e você pode jogar na metade ou ainda menos… E um item de 200 “dinheiros” pode ser comprado por 50 “dinheiros” e eles são muito gentis é claro e fazem “qualquer negócio” para atrair a atenção para seus produtos.
O colorido das ruas, os recantos e lugares simples da Medina proporcionam uma experiência única, o tempo voa quando passeamos pela Medina… Há muitas coisas típicas e também os mercados de frutas, verduras e carnes… Que pode ser bizarro às vezes… Tudo exposto para venda… Cabeça, patas, intestino, testículos… O que para nós culturalmente é um pouco impactante, pois nas cidades cada vez mais a produção se distancia do consumidor e a prateleira do supermercado traz com ela uma visão reduzida de todo o processo.
Com a vinda do JJ que nos trouxe “proscciutto crudo” e linguiça, matamos nossa vontade… Pois aqui em função da religião adotada, não há carne ou derivados suínos. Uma verdade é que neste tempo todo fora do Brasil, temos reduzido o consumo de carne vermelha, pois não é saborosa como a nossa da terrinha.
E lá se foi a semana, curtimos muito a companhia deles e então retornaram para Lampedusa e tiveram a notícia que teriam que ficar em quarentena… E agora as regras estão mudando e a segunda onda do Corona Vírus está se anunciando.
No decorrer deste ano decidimos não fazer muitos planos e ficarmos seguros até que a vida volte a uma normalidade. A Tunísia foi uma ótima descoberta, super amigável, tranquila, interessante culturalmente, custo de vida barato e com baixo número de casos e mortos, assim nos sentimos bem por estarmos aqui e os planos virão com segurança e muita água vai passar debaixo da quilha da Pharea rumo a lindos e novos lugares! Namastê 🙏🏻

Dia 1597, 06 de agosto de 2020. Monastir, Tunísia, Norte da África.

Sobre Sailing Vessel Pharea

Eu, meu marido Renato Teixeira e a Bella, nossa Yorkshire, moramos a bordo e estamos conhecendo muitos lugares dando volta ao mundo em um veleiro. Namastê 🙏🏼
Esse post foi publicado em #SvPhareanaTunísia🇹🇳. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Uma das grandes alegrias, rever os amigos!

  1. Aproveitem, este ano não deu, mas o próximo promete!

  2. Catarina e Jacób disse:

    Bom saber de vcs… aproveitem … são jovens inteligentes, corajosos e aventureiros !!!
    Quando der… venham visitar nossa terrinha que
    é Maravilhosa!!!
    Temos estado com o Zé… frequentemente e nos parece muito bem… está ansioso p/ ir até vcs.
    Saudades…amigos queridos!!!
    Um grande abraço!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s