Viver a bordo, um eterno despedir-se!

Nossa convivência na Marina Porto Delle Grazie não podia ter sido mais especial. Aqui encontramos um ambiente acolhedor, velejadores raiz e não raiz… O staf da Marina super atencioso e esbanjando simpatia…. Como aquela que esperamos da conhecida alegria do povo italiano.
A língua latina soa bem aos ouvidos e poder sair à rua e entender o que estão falando, ler as placas para identificar os locais, encontrar comidas conhecidas no mercado e na feira… E o passeio à beira mar cumprimentando todos que passam pela gente, seja com o usual “salve”, o “Ciao” que tem a pronúncia parecida como o nosso “tchau” ou ainda o “Buongiorno”, torna a estadia muito agradável comparando com a dificuldade que tivemos com a língua falada pelos Croatas, Montenegrinos e Gregos com seu alfabeto tão diferente do nosso, que não dava para entender praticamente nada.
Mas o melhor de tudo é ter tido esta oportunidade de conhecer tantos velejadores, homens e mulheres, conviver com seus costumes, compartilhar o churrasco de todo o domingo, experimentar suas comidas e sobremesas, participar do jogo de boccia, do campeonato de ping-pong, dos fins de tarde jogando “trem mexicano”… Um jogo que lembra o dominó.
Abril se vai e a temporada de inverno acaba e aos poucos um a um dos velejadores saem da Marina para curtir o verão, alguns em novos lugares e outros repetindo os mesmos do ano anterior… E ao final da temporada alguns vão estar aqui novamente par invernar.

O Dico, um holandês (terceira foto), nos disse que para ele é perfeito passar seis meses na ancora em vários lugares e depois ter um tempo de calmaria e ficar paradinho na Marina descansando e esperando a próxima temporada. Diferente do que fazíamos no Brasil, que não parávamos de velejar ao longo do ano, mesmo no litoral sul do Brasil nunca ficávamos sem ir para o barco durante o inverno e no litoral do Rio de Janeiro… Ah… Que lugar incrível… Lá o verão é o ano todo.
No aniversário da Sue, uma velejadora inglesa, fizemos uma foto com a presença de cinco brasileiros. O Marco e a Heloísa, do Vento Macio, a Valéria do Windpendent e nós ainda   temos um amigo alemão, do Early Bird, que fala português em função de ter 
trabalhado um bom tempo no Brasil. Não faltou conversa e animação. E assim vamos nos despedindo dos amigos que fizemos e quem sabe um dia nos encontraremos em outros mares. Esta experiência de “invernar”, ficar na Marina com energia, água e um bom aquecedor foi muito bacana, nos oportunizou conhecer vários lugares, cidadezinhas seculares cheias de charme e história… Por este motivo estamos repensando nossa saída do Mediterrâneo, dois anos já nos parece pouco para tantos lugares que há aqui para conhecer… Acho que estenderemos nossa estadia para conhecer estes tantos lugares e suas histórias, sem pressa pois a vida é o momento presente, como disse o sábio: ontem é passado, amanhã é futuro é hoje é o dia de fazer aquilo que se quer. Namastê 🙏🏻

1.033 dias morando a bordo, invernando em Roccella Iônica, Calábria, sul da Itália 🇮🇹 Dias 01 a 20 de abril de 2019.

Sobre Sailing Vessel Pharea

Eu, meu marido Renato Teixeira e a Bella, nossa Yorkshire, moramos a bordo e estamos conhecendo muitos lugares dando volta ao mundo em um veleiro. Namastê 🙏🏼
Esse post foi publicado em #svphareanaitalia🇮🇹. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s