Preparativos para a travessia Montenegro 🇲🇪/ Korfu, Grécia 🇬🇷

Nossa ideia a princípio era de sair no dia 25/08 mas o Comandante antecipou nossa saída em função da previsão do tempo. Ventos fortes com rajadas acima de 40 knots acabaram por antecipar nossa saída para o dia 22 (quarta). Mas… antes disto muita coisa aconteceu, afinal tínhamos que preparar a embarcação para esta jornada.

O Renato fez sua “to do list” e foi executando item a item:

– Rádio,
– Lanternas, troca de baterias;
– Instalar linha da vida;
– Subir coletes e arnês;
– Limpar fundo do casco;
– Montar bolsa de abandono (documentos, lanterna, água, biscoito, protetor solar, celular com chip validado…);
– Facho holmes;
– Fechar circulador de ar interno;
– Abastecer de diesel e encher galões de reserva de 65 litros;
– Gasolina para o bote;
– Abastecer com água doce;
– Subir para o convés e limpar bote de apoio;
– Subir no mastro, check do radar;

– Motor, check óleo e água (racor) e óleo da rabeta;
– Moitões, lubrificar;
– Gaiútas, lubrificar;
– Âncora, check das conexões;
– Eletrônicos e luzes de navegação.

 

 

 

Já a minha “to do list”…
– preparar lancheira com biscoitos, chicletes, salgadinhos, lenços umedecidos, lenços de papel, água, cup lamem…
– Fazer sanduíches e embalar em plástico filme;
– Fazer bolo de chocolate 😃
– Preparar cabine de popa para descanso;
– Travar todos os armários;
– Fechar todas as gaiútas e vigias;
– Separar ração e biscoitos da Bella;
– Travar o gás;
– Destravar o fogão;
– Separar roupa de tempo;
– Separar a o colete salva vidas da Bella;
– Guardar tudo o que possa cair, não deixar nada solto no barco;
– Fechar registros da cozinha e dos banheiros;
– Abastecer de água mineral;
– Abastecer de suprimentos;
Isto pronto, fizemos os últimos passeios em Kotor já com aquele ar de despedida. Passamos bastante tempo por aqui e foi muito bom. Aqui, como disse o Renato fiquei independente: ia com o bote para a cidade levar a Bella passear… em Paraty nosso bote era “nervoso” e eu não me sentia muito segura… mas este é ótimo… o motor tem menor potência 🙏🏼.
Fizemos nossos primeiros amigos navegadores, dois casais de canadenses.
Ficamos em uma ótima ancoragem em frente ao ponto turístico, que recebia diariamente turistas do mundo todo, que chegavam em grandes navios de passageiros para ver a cidade fortificada.
Tínhamos água disponível, sem custo, na marina que ficava bem próxima, o Renato pegava regularmente dois galões de 25 litros.
O mercado, a pekara, a casa de grelhados… tudo bem próximo, fazendo desta uma ancoragem sensacional.
Toda a noite ouvíamos show musical dos bares da beira mar e nos finais de semana pela manhã perambulávamos pelo centro velho ouvindo violinos, violoncelos, flauta e outros instrumentos dos músicos locais que se apresentavam nas ruas.
Numa noite destas vimos um veleiro garrar. Era de bandeira e tripulação Australiana. O Comandante jogou a ancora sem estar aproado e bem próximo da murada, o Renato ficou de olho. Estávamos prontos para ir dar uma volta na cidade e esperamos até ele virar com o vento. Quando retornamos o barco estava lá mas de repente ele começou a se movimentar ao sabor do vento e foi sendo levado… o Renato pegou a lanterna e focou no barco e no catamarã que estava próximo, tocou a buzina e nada, só saíram para o cockpit o casal do catamarã…. outro veleiro acendeu uma estrela vermelha, um pirotécnico de segurança, e o veleiro continuava se movimentando… quando estava aproximadamente 400 metros avante, ele enroscou em dois trollers que estavam ancorados e começou a ir para frente e para trás. Vimos o bote do Porto passar pelo Pharea e o Renato falou com eles e focou o barco para que enxergassem e eles o trouxeram para a marina. Mais de uma hora depois chegou o dono do barco com mais duas tripulantes e rodando com o bote não via o veleiro, até que todos os outros ancorados foram informando que ele havia garrado e que a segurança do Porto o colocou na marina. No dia seguinte passamos na marina e o australiano disse que estava tudo bem, que não havia pego o leme aparentemente estando só com algumas manchas pelo casco… Que cena triste ver o barco sendo levado pelo vento ☹️. Aí me disse o Renato: tá vendo porque as vezes eu ancoro e reancoro mais de uma vez… é para ter segurança que unhou, pois garrar é algo que acontece com mais frequência do que pensamos.
Amanhã, quarta feira, partimos. Aproaremos a Pharea rumo a Grécia, o berço da civilização… o que sempre ouvimos falar, não é?! Lá receberemos visita da família e de amigos e por isso estamos saindo antes do vencimento de nosso visto, que é para termos tempo suficiente para o deslocamento, umas 450 milhas, que faremos em algumas pernadas, pretendendo chegar em Athenas em torno do dia 5 de setembro.
Será nosso terceiro país, rico em história e mitologia para aprendermos e muitas ilhas e cidades para conhecermos.

Que a Grécia nos receba de braços abertos, que o deus Éolo não mande ventos muito fortes e que o deus Poseidon nos dê um bom mar para navegar. Namastê 🙏🏼

Dias 614 a 623. Morando a bordo em Kotor, Montenegro 🇲🇪. De 13 a 21 de agosto de 2018.

Sobre Sailing Vessel Pharea

Eu, meu marido Renato Teixeira e a Bella, nossa Yorkshire, moramos a bordo e estamos conhecendo muitos lugares e dando volta ao mundo em um veleiro. Namastê 🙏🏼
Esse post foi publicado em #svphareaemmontenegro🇲🇪. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s