Espinalonga, uma hist贸ria para n茫o se repetir, Creta 馃嚞馃嚪

Ap贸s conhecermos 脕gios Nikolaos e desfrutarmos da cidade, levantamos ancora e rumamos para Elounda, a pr贸xima cidade na Ilha de Creta e assim ficamos abrigados do swel que estava balan莽ando muito o barco.

Uma linda ba铆a, com uma longa avenida 脿 beira mar, entrecortada por bares, restaurantes e lojas de souvenirs.

Andamos por toda a sua extens茫o e fizemos uma trilha, com algumas ru铆nas pelo caminho e chegamos a p茅 no lado oposto de onde est谩vamos ancorados e apreciamos uma vista bem bonita da ba铆a.

Tamb茅m exploramos as ruas da cidade na companhia dos amigos do SV Tartuga e tivemos um ador谩vel jantar de despedida da Ana e do Duchan, novos amigos da Eslov谩quia que deixaram saudade.

Em nosso 煤ltimo dia na cidade, percorremos alguns lugares de carro, junto com os amigos do SV Tartuga e vimos cen谩rios paradis铆acos, praias bel铆ssimas de areia clara e mar azul, adoramos rodar com eles e conhecer um pouco mais de Creta.

Mas a relevante hist贸ria deste lugar diz respeito 脿 Ilha de Espinalonga, que passamos por ela ao entrarmos na ba铆a. Essa ilha, hoje aberta 脿 visita莽茫o, possui v谩rias habita莽玫es, 茅 toda fortificada e possui um passado sombrio. A come莽ar que nem sempre f么ra uma ilha. Os venezianos, em 1526, destru铆ram parte da pen铆nsula de Elounda para cri谩-la e a fortificaram para salvaguardar o Porto primeiramente, depois os ataques de piratas e dos turcos e em 1903, tornou-se uma comunidade de leprosos, atingindo um n煤mero de cerca de 400 habitantes, chegando a mil durante o surto da doen莽a.

A Hansen铆ase, como tamb茅m 茅 conhecida, 茅 uma infec莽茫o bacteriana que afeta os nervos, o trato respirat贸rio, a pele, os olhos do paciente e causa deforma莽茫o, especialmente no rosto e membros. Apesar da lepra em si n茫o ser letal, ela pode em 煤ltima an谩lise, causar a morte devido a somat贸ria de outros fatores. No in铆cio do s茅culo 19, pouco se sabia a respeito e muitos equ铆vocos foram cometidos, acreditava-se que era hereditaria, logo ficou provado ser infecciosa, e os pacientes vindos de toda a Gr茅cia, foram imediatamente enviados para isolamento na ilha Espinalonga, que 脿 茅poca, n茫o tinha infra-estrutura e condi莽玫es adequadas de higiene, as pessoas eram enviadas l谩 para esperar pela morte. Aponta-se que mesmo os m茅dicos n茫o tinham um conhecimento profundo sobre a doen莽a e em decorr锚ncia disso, muitas pessoas eram diagnosticadas erroneamente e mantidas presas de Espinalonga. S贸 em mar莽o de 1936, com a chegada de Epaminondas Remountakis, um jovem estudante tamb茅m diagnosticado com lepra, as coisas come莽aram a evoluir a partir da cria莽茫o da Irmandade do Doente de Espinalonga, com objetivo de melhorar as condi莽玫es de vida na Ilha. Ruas foram abertas, as casas foram caiadas pela primeira vez, foi criado um servi莽o p煤blico de limpeza e tamb茅m foi constru铆do um teatro, depois houve a doa莽茫o de um gerador e m煤sica cl谩ssica podia ser ouvida pelas ruas e com isso a chegada da energia el茅trica iluminando as ruas. O n煤mero de pacientes na ilha come莽ou a diminuir em 1948 devido a descoberta dos primeiros rem茅dios contra a lepra, em 1957 os 煤ltimos pacientes foram transferidos para um hospital em Atenas e o ultimo habitante deixou a ilha em 1962. Livros e filmes retratam este per铆odo e hoje 茅 o segundo mais visitado s铆tio arqueol贸gico de Creta. Consta que na entrada da ilha, uma inscri莽茫o recomenda que voc锚 n茫o deixe a esperan莽a para tr谩s, enquanto na entrada do cemit茅rio, uma pequena placa pede respeito pelas almas que nunca conseguiram escapar de Espinalonga. Nas palavras de Remountakis, “Andando nas ruas de Espinalonga, pare e segure a respira莽茫o, voc锚 vai ouvir o eco de uma m茫e ferida, de uma irm茫, ou o suspiro de um homem, deixe as l谩grimas gotejarem de seus olhos, e voc锚 vai testemunhar o brilho de milh玫es de l谩grimas que regaram esta estrada antes de voc锚 estar aqui …”

A hist贸ria tem essa capacidade incr铆vel de nos informar e nos sensibilizar, as vezes muito positivamente e em outras nos fazendo conhecer tempos mais dif铆ceis e por vezes cru茅is.

Namast锚 馃檹馃徎

15 de maio de 2023. Morando a bordo do veleiro SV Pharea em Creta, Gr茅cia 馃嚞馃嚪

Sobre Sailing Vessel Pharea

Eu, meu marido Renato Teixeira e a Bella, nossa Yorkshire, moramos a bordo e estamos conhecendo muitos lugares dando volta ao mundo em um veleiro. Namast锚 馃檹馃徏
Esse post foi publicado em #Svphareanagrecia馃嚞馃嚪. Bookmark o link permanente.

Deixe um coment谩rio

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um 铆cone para log in:

Logo do WordPress.com

Voc锚 est谩 comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Voc锚 est谩 comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s