Sem velejar… vamos passear pela Tunísia ðŸ‡¹ðŸ‡³

Em Monastir é super fácil se deslocar para as inúmeras pequenas cidades próximas daqui… Em todas elas há algo interessante para conhecer. Hoje cedo o Paul, nosso vizinho de píer, nos chamou avisando que uma de nossas bikes tinha “mergulhado”, como a água é bem clara dava para ver ela lá embaixo com os peixinhos na volta. O Renato jogou a âncora do bote e retirou a bike, que talvez tenha caído com o vento ou algum esbarrão… Depois desta função logo cedo fomos pegar o metrô para Sousse, com os vizinhos velejadores Lori e Paul (EUA). A ideia era perambular pela Medina, pelo mercado de hortifruti, onde se encontra de tudo e os produtos são frescos e a preço bem acessível e o Paul também falou das lojas de doces, biscoitos típicos super gostosos, feitos geralmente com farinha de amêndoa, nozes, amendoim… O Renato e Paul também queriam procurar uma loja de produtos náuticos, mas andamos bastante e não encontramos. Passamos por vários hotéis à beira mar, alguns em manutenção e alguns de alto padrão super bonitos, acreditamos que no verão deve bombar por aqui, pois tem praia na cidade e a água é bem limpa.

Andando pelas ruelas estreitas dentro da Medina (antiga cidade murada onde hoje existem os souks (mercados, pequenas lojas, artesãos…) um senhor cumprimentou o Renato e começaram a conversar e ele nos conduziu por algumas ruelas estreitas e contou a histórias das mesquitas, das diferentes portas e da cultura Árabe.

Depois quando fomos ao mercado de hortifruti, logo na entrada, ficamos impressionados de ver exposto a cabeça de dois bois no balcão… Já vimos várias cabeças de carneiro expostas em outros açougues, mas de boi foi a primeira vez. Aliás “todas” as partes do animal estão à venda. Dentro do mercado frutas e legumes em grande quantidade, além de peixes e os donos das bancas falam alto para chamar a atenção e vender seu produto.

De volta às ruelas da Medina acompanhamos o vaivém constante dos residentes, turistas, comerciantes, ambulantes e vimos muitas barracas de lanche típico rápido, “street food”, são bem apetitosos e enormes… Os lanches são feitos com pães redondos ou massas mais finas, tipo panquecas e dentro vai muita pimenta “harissa”, verduras cruas e carne vermelha ou frango. Passamos por uma lojinha e vi um rapaz cortando romãs e fazendo suco… Claro que quiz entrar e provar. Eu tomei suco de romã pela primeira vez e é uma delícia, a ideia de fazer suco é excelente pois aqui há uma grande produção.

Há também por todos os lugares, muitos gatos, você percebe um e quando olha novamente já vê vários outros. Os muçulmanos aceitam os gatos e quase não vimos cachorros de locais… Os que vimos geralmente são de estrangeiros.

O passeio foi bem divertido, olhamos lojas com roupas típicas, bugigangas, cerâmicas muito bonitas de produção local e artefatos feitos com madeira de oliveiras, já que a Tunisia é grande exportador de azeite de oliva.
Em Sousse há também um grande Porto e uma Marina praticamente com a mesma estrutura da de Monastir mas de tamanho menor. As marinas constituem um importante ponto turístico da cidade, geralmente são rodeadas de hotéis e restaurantes, e tem pessoas circulando, fotografando ou nos cafés o dia todo. É um arranjo interessante e bem diferente das que estivemos até agora na Europa. Em outra oportunidade visitamos a Marina e almoçamos em um dos restaurantes, preço justo e bebida alcoólica no cardápio, o que geralmente não acontece, as bebidas alcoólicas devem ser pedidas diretamente ao garçom e ele informará se tem disponível ou não.
Na cidade tem mercado Carrefour e lembro da minha amiga Claudia Portela, que em seu livro “Bravo, três anos, três oceanos”, relata a alegria de chegar num lugar desconhecido e encontrar um Carrefour 😍😍😍. Nada de especial com a marca mas… A gente sabe que lá encontraremos alguns produtos que gostamos e usamos e que não encontramos nos mercados locais!
Assim é a vida por aqui… Às vezes encontramos algo, noutras vezes abrimos, importante é mantermos um equilíbrio positivo e aproveitar o que cada lugar pode nos mostrar ou oferecer, penso que é relevante estar atendo a isto! Namastê 🙏🏻

Dia 1278, 20 de dezembro de 2019. Morando a bordo, inverno no norte da África, Monastir, Tunísia 🇹🇳

Sobre Sailing Vessel Pharea

Eu, meu marido Renato Teixeira e a Bella, nossa Yorkshire, moramos a bordo e estamos conhecendo muitos lugares dando volta ao mundo em um veleiro. Namastê 🙏🏼
Esse post foi publicado em #SvPhareanaTunísia🇹🇳. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Sem velejar… vamos passear pela Tunísia ðŸ‡¹ðŸ‡³

  1. Bruno Canesi Morino disse:

    Saudades dos meus amigos!!! Lindas experiências!

    Curtir

  2. MARCOS F GAMA LOBO disse:

    Nossa que lugar bacana, pelas fotos também deixa a impressão que é limpo…..dez….

    Curtir

  3. Que delícia conhecer novos lugares, experimentar novos sabores e ainda aprender um pouco mais sobre a cultura do lugar, show, aproveitem, seus relatos nós fazem viajar junto com vocês, bjs!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s