Só alegria, chegada dos amigos Pádua e Lili 😍

Na próxima semana chegam nossos amigos e dindos da Bella, Lili e Pádua, moram em Curitiba e deixam seu belo Veleiro Austral em Antonina, PR, onde começou nossa vida náutica a bordo do Relax. Eles nos visitaram na Croácia em 2018 (foto) e agora chegam para conhecermos juntos um pouco do sul da Itália, a Calábria e a Sicília 🇮🇹 As distâncias são grandes, a Itália com sua forma de bota é bem comprida… E estamos aqui na sola e vamos até sua pontinha onde fica a Sicília. No domingo pegamos o trem para Lamezia, onde fica o aeroporto mais próximo daqui, fomos lá pegar o carro que locamos para o passeio e na segunda-feira eles chegaram no fim do dia. Que maravilha vê-los desembarcando do trem… Já estávamos ansiosos pela chegada e a Bella reconheceu a dinda assim que a viu. Eles curtiram a vinda de trem e a paisagem desde Roma até aqui. Chegando,  já subiram a nova bandeira do Brasil, indicando a nacionalidade da tripulação. Felizmente a previsão do tempo se confirmou e os dias foram ensolarados e sem chuva. Como o tempo deles é curto, pensamos em conhecer o máximo de lugares nestes dias…
Na terça feira (05) fomos para Gerace, aqui próximo, uma vila histórica fortificada, com várias igrejas, ruínas de um castelo e vários palácios que eram as grandes casas onde os senhores da época moravam. A paisagem é belíssima e do alto vimos o vale no entorno, pequenas cidades, plantação de cítricos, a rodovia que passa pelos diversos túneis que cortam as montanhas.
Como era cedo aproveitamos para ir até Tropea, cidade litorânea que chama atenção pelo seu centro histórico e também pelas construções sobre as rochas da encosta, conferindo um belo visual. Passeamos a pé e descemos contornando a beira mar e chegando ao antigo e hoje preservado monastério, que foi uma ilha e hoje está integrada ao continente. Como estamos no inverno os restaurantes estavam fechados e então comemos um sanduíche italiano super gostoso numa mercearia típica local.
No dia seguinte rumamos em direção ao Estreito de Messina, que separa a Calábria da Sicília e faz o encontro do Mar Jônico com o Mar Tirreno. Fizemos a travessia do canal com o ferry boat que leva, carros e pessoas e é bem rápido. A menor distância do canal é de 3.300 metros e existe um projeto para unir a Sicília com o continente através de uma ponte, porém há uma polêmica em torno deste assunto, uma vez que a execução tem dificuldades técnicas em função de tratar-se de uma área com intensa atividade sísmica além de fortes e constantes ventos. Descemos na cidade de Messina e rumamos para nosso primeiro ponto de parada, a cidade de Taormina localizada no topo de uma colina, na costa leste da Sicília. Ao fundo fica o Monte Etna, vulcão em atividade que causou o fechamento do Aeroporto de Catânia, em dezembro passado.

A cidade é muito antiga, de 735 a.C. e palco de inúmeros conflitos, invasões e domínios. Está entre os pontos turísticos mais visitados na Europa no século XIX e realmente o lugar é fantástico, as vistas do mar, do vulcão e do vale são surpreendentemente belas, adoramos o lugar e além das construções históricas, a beleza natural que preserva de forma irretocável.
Vimos na baia duas pequenas enseadas que parecem ser bom lugar de ancoragem.

Seguimos para Catânia onde pernoitamos, uma antiga cidade portuária na costa leste da Sicília, no sopé do Monte Etna, com mais de 300 mil habitantes é a segunda maior cidade da Sicília após a capital Palermo. A antiga cidade foi fundada em 729 a.C. e conserva uma rica história do patrimônio cultural das eras Grega, Romana, Bizantina, Árabe, Normanda entre outras, representadas nas construções e monumentos espalhados pela cidade. A cidade que vimos agora é resultado da reconstrução feita após forte terremoto sofrido no ano de 1.693, foi reconstruída no estilo Barroco Siciliano e declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco. No centro histórico caminhamos pela grande praça, rodeadas pelos grandes palácios reconstruídos e no centro um monumento com um elefante que suporta um obelisco egípcio, símbolo da cidade, que conforme narra a lenda, tratava-se de um elefante mágico, construído com a lava do Monte Etna quanto Catânia era ainda uma província bizantina do Império Romano. Gostamos muito de Catânia e ficamos  impressionados com as construções, possivelmente pelo fato de serem reconstruídas e estarem com um bom aspecto. Mas há muitos espaços com edificações dos séculos XVIII e XVX em estado precário, precisando de manutenção e revitalização.
Dia seguinte, nosso destino: Siracusa, terra da máfia italiana ou como chamam: “cosa nostra” e a gente vai relembrando os filmes do Poderoso Chefão (Godfather, Il Padrino), que conta a história da família mafiosa Corleone, durante os anos de 1945 a 1955, filme norte-americano de 1972, considerado o melhor filme de gângster de todos os tempos e o segundo melhor filme estadunidense da história. É muito legal ver filmes dos lugares que conhecemos pois temos um novo olhar para todas as cenas, passear pelas ruas imaginando o passado e sabendo que cada rua, cada edificação constitui uma história. Estacionamos o carro na pequena ilha de Ortigia, velho centro histórico de Siracusa que concentra algumas marinas, a baía é bem linda e grande. O centro histórico com suas vielas estreitas e antigas construções, hoje viraram restaurantes e lojas e comparado a Catânia, parece estar bem menos preservado e limpo. Tempo curto para vermos tantas coisas, começamos a retornar em direção ao Estreito de Messina. Cruzamos de ferry boat e paramos na beira mar de Régio Calábria, a maior cidade da Calábria que nos pareceu ter um clima ótimo e animado.

 

 

Hora de retornar para Roccella Ionica e no dia seguinte nos despedirmos deles, nossos bons amigos que estão sempre próximos da gente. Antes da visita aquela ansiedade para programar tudo para aproveitar o máximo, durante a estadia os dias passam voando e logo está na hora de voltar… Mas o importante é que nos divertimos muito estes dias, adoramos a companhia deles e a Bella aproveitou toda a atenção dos dindos também.

Somente a agradecer a vocês, Lili e Padua, pelos ótimos dias que passamos juntos e agora esperar para que nos encontrem novamente em outro destino, que ainda não sabemos onde e em qual continente será 🌍. Namastê 🙏🏻.

Dias 804 a 815. Morando a bordo, invernando em Roccella Iônica, Calábria, sul da Itália 🇮🇹 Dias 26 de fevereiro a 09 de março de 2019.

Sobre Sailing Vessel Pharea

Eu, meu marido Renato Teixeira e a Bella, nossa Yorkshire, moramos a bordo e estamos conhecendo muitos lugares dando volta ao mundo em um veleiro. Namastê 🙏🏼
Esse post foi publicado em #svphareanaitalia🇮🇹. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Só alegria, chegada dos amigos Pádua e Lili 😍

  1. Eliane disse:

    Amados foi tudo perfeito e mágico e só temos que agradecer aos três….amamos vocês ❤️❤️❤️😘😘😘😘

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s