Svpharea deixando a Grécia 🇬🇷

3 de novembro, nossa velejada é rumo a Corfu, nosso porto de entrada e também o de saída da Grécia. Saímos às 06:30 de Paxos e chegamos em Corfu próximo ao meio-dia. A ilha tem formato de “T”, e a cidade fica no Nordeste, passamos pelo local onde ancoramos no final de outubro e foi impressionante… não havia nenhum barco na ancoragem… muito diferente da vez anterior, no mês de agosto, que estava lotado e super movimentado. Realmente aqui os barcos param, recolhem-se nas marinas durante os meses de frio e a maioria deles só vão retornar no verão.
Nossa primeira parada foi na Marina de Gouvion, em ⚓️ 39°39.089’N / 19°50.882’E, onde abastecemos com diesel custando 1,68 euros o litro🤑. Vimos que a Marina estava cheia…com os barcos já preparados para invernar.
Retornamos para a cidade de Corfu, passamos pela Marina pública, lotadíssima antes e agora vazia… com dois ou três barcos apenas. Atracamos na Marina pública, não tem água nem energia e também nenhum custo, mas o bom é que fica dentro da cidade, bem no centro histórico aos pés das fortificações, em ⚓️ 39°37.651’N / 19°55.213’E.
Estamos acompanhando as notícias na internet sobre os constantes terremotos que estão ocorrendo no Peloponeso, Mar Jônico, o qual precisamos atravessar para nosso próximo destino: a Itália 🇮🇹. Os terremotos registrados estão alçando em torno de 4,5 pontos na Escala Richter e são bastante frequentes o que tem nos deixado de sobre aviso, aliado a isso o Renato vem monitorando a previsão do tempo e constatou que o ciclo é de oito dias mais ou menos, assim possivelmente ficaremos aqui uma semana para pegar uma boa janela para a travessia na próxima semana.
A cidade de Corfu e seus inúmeros cafés nos lembraram Buenos Aires e sua movimentação de turistas nos lembrou Veneza. Aqui há também muita religiosidade, muitas igrejas ortodoxas e católicas, acompanhamos uma procissão num domingo onde autoridades civis e militares estavam presentes, um desfile muito bonito e uma demonstração de fé… era a procissão de Santo Esperidião, que no passado dizem: “curou as chagas” e nos pareceu que é assim até hoje, ao vermos pessoas que choravam e se emocionavam ao ver os restos mortais do santo, que eram carregados com muitas honrarias.
Nossos dias aqui foram bem legais… saíamos diariamente passear pela cidade, andar com a Bella, fazer feira, ir ao mercado, visitar os pontos turísticos, gastar horas nos cafés… e esperar a melhor previsão para zarpar.
Na quinta (7) o Renato foi até a Autoridade Portuária e a Imigração para dar saída… a atendente pediu qual seria o próximo Porto e ao responder que era a Itália ela disse que não precisávamos dar saída aqui, pois estamos dentro da comunidade européia … mas… queríamos dar saída… Então o Renato disse: Ah, mas primeiro vamos passar na Albânia e então ela concordou em dar a saída. Passaportes carimbados, embarcação, suprimentos e combustíveis ok, esperamos uma boa noite de descanso para sair na manhã seguinte, sexta…dizem que os marinheiros Ingleses não gostavam de zarpar seus navios ás sextas-feiras… mas, superstições a parte, decidimos por zarpar!
Aqui encerramos nossos quase 3 meses de Grécia. Onde tivemos momentos especiais ao recebermos a visita de familiares e amigos, compartilhamos nossa rotina e nos encantamos com eles a bordo. Em nosso tour, gostamos muito das ilhas do Mar Jônico pois são de uma beleza impressionante, água do mar e relevo belíssimos!
A cidade de Athenas, berço da civilização, é um lugar que se deve conhecer, havendo oportunidade… ela preserva seus sítios arqueológicos, muitos deles palcos das personagens da mitologia grega, fora isso é uma megalópole, cinco milhões de pessoas indo e vindo, com seus sonhos, seu trabalho, suas desilusões e suas vitórias, num vai e vem contínuo… numa busca constante… acredito, da felicidade!
Adoramos o Golfo Sarônico… Aegína, Ydra, Poros, Moni… cidades menores com grandes marinas públicas embelezando a paisagem e com um clima náutico latente… a vela acontece por aqui.
Fomos também para o arquipélago das Ilhas Cyclades, conhecemos Mikonos, que é uma das ilhas mais famosas do mundo, arquitetura que prima pela identidade local, representado por suas casas azuis e brancas, e lá conhecemos a força de um ciclone e nos colocamos em segurança, essa foi uma prévia de sua colossal força… não que não estivéssemos sempre atentos, mas um fenômeno da natureza é algo de respeito!
Adoramos o Canal do Corinto, aberto na rocha, o canal de Lefkas e sua automação e a bela ponte estaiada de Patras.
Matamos toda a vontade de ver as oliveiras carregadas, as azeitonas colhidas e o modo de vida simples levada nas pequenas cidades onde o turismo é a principal fonte de renda.
A cada país 🗺 que deixamos seguimos mais completos e mais ansiosos para estarmos no próximo, haverá saudade de algumas coisas com certeza…mas isso nada mais é do que o reconhecimento das coisas que encontramos, gostamos e nos identificamos. Namastê 🙏🏻

Dias 697 a 701. Morando a bordo, Ilha Corfu, Grécia 🇬🇷. Dias 03 a 07 de novembro de 2018.

Sobre Sailing Vessel Pharea

Eu, meu marido Renato Teixeira e a Bella, nossa Yorkshire, moramos a bordo e estamos conhecendo muitos lugares dando volta ao mundo em um veleiro. Namastê 🙏🏼
Esse post foi publicado em #Svphareanagrecia🇬🇷. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Svpharea deixando a Grécia 🇬🇷

  1. Edilsa disse:

    Como sempre, muito interessante este relato de bordo.
    Nós do outro lado do oceano acompanhamos vocês e sempre nos deliciamos com tudo que compartilham nas estadas …
    Um grande abraço e bons ventos…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s